A História do Camboja, além dos templos de Angkor

O outro lado do Camboja que está muito mais perto do que imaginamos e que muitos preferem não comentar.

Quando decidi colocar o Camboja no roteiro da minha primeira viagem pelo Sudeste Asiático, eu confesso que conhecia pouquíssimo sobre a sua história.

Por alto eu sabia alguma coisa sobre os templos de Angkor, que é a principal atração do país e que atrai milhares de viajantes dos quatro cantos do mundo.

O que eu não conhecia era o passado recente do país… toda a história de guerra, crueldade e sofrimento recém vivida por aquele povo.

Nesse post eu não vou comentar sobre lugares lindos que visitei, templos ou praias paradisíacas. Eu vou contar pra você um pouco da história do Camboja e como saber dela me fez olhar o país com outros olhos.

Um pouco da recém e triste história do Camboja

Bom, a década de 70 foi, sem dúvidas, a época mais difícil e dolorosa para o Camboja. O país entrou em guerra civil depois que o General Lon Nol tomou o poder com um golpe militar.

O novo regime exigiu que os comunistas vietnamitas deixassem o país e com isso receberam o apoio dos EUA. Enquanto isso o ex chefe de estado, Sihanouk, que foi tirado do poder, pediu ajuda dos seus seguidores para acabar com os golpistas – e assim se iniciou uma guerra civil no Camboja.

No ano de 1975 o Khmer Rouge, ou Khmer Vermelho, ganhou força e o apoio dos norte-vietnamitas, e com a liderança do cruel Pol Pot conseguiu tomar a capital Phnom Penh.

E foi aí que a época mais negra do Camboja começou. O ditador tentou evacuar todas as cidades e converter o país em uma sociedade agrária, forçando todos a trabalhar nos campos. Até o nome do país foi alterado, passando a se chamar Kampuchea Democrático.

Toda a industria do país parou. Livros foram queimados, bibliotecas e templos destruídos e até a religião foi banida. Absolutamente tudo que tinha alguma influencia ocidental era destruído.

Chega ser impensável acreditar que isso aconteceu a tão pouco tempo, mas acredite…

Artistas, músicos, professores, donos de empresas, pessoas que questionassem o novo governo e todos com uma mínima “educação” foram assassinados da forma mais cruel possível.

Chega a doer ao contar isso, mas eles chegaram a matar pessoas que usavam óculos…. simplesmente porque elas pareciam inteligentes.

Muitas pessoas morreram de fome realizando trabalhos forçados. A crueldade foi tão grande que eles tentavam impedir o suicídio daqueles que queriam desistir, pois as pessoas não tinham o direito de escolher como morrer.

Me faltam palavras para descrever o que eu sinto ao saber da história desse povo.

Estima-se que quase 2 milhões de pessoas, de uma população de 8 milhões, foram assassinadas nesse período.

As coisas só começaram a mudar por lá em 1991, quando foi feito um acordo de paz abrangente e a ONU impôs um cessar-fogo. Sihanouk assumiu novamente como Rei do Camboja em 1993, permanecendo até 2004, quando abdicou em favor de um dos seus filhos – que é o atual rei.

A maior parte dos líderes responsáveis por todas essas crueldades ainda não foram julgados. Um dos cabeças da história, Pol Pot, morreu em 1998 de causas naturais…. e ele nunca chegou a pagar pelos crimes que cometeu.

Enfim, esse foi apenas um pequeno resumo da história recente do Camboja. Não que eu seja grande estudioso de história e ou tenha certeza que fiz o resumo da melhor forma, mas como estou postando tanto sobre o Camboja aqui no blog, não me sentiria bem ignorando esse período do país.

Acredite, mas boa parte do que eu li e me informei sobre esse período, todas as atrocidades que aconteceram por lá, eu decidi não detalhar aqui, pois é chocante, cruel e muito triste

Apenas para registro:

Quem visitar a capital do país, Phnom Penh, pode visitar alguns lugares, como o Museu do Genocídio Tuol Sleng, que são mantidos como eram na época negra do Cambojaapenas precisa ter estômago para lidar com o lugar.

Camboja: um país que está renascendo

Hoje, felizmente, o Camboja é um dos países mais visitados do Sudeste Asiático.

Eu só decidi contar um pouco da história deles para que você, ao chegar lá, entenda e saiba tudo que eles passaram. É um passado muito recente…. então quando você ver lugares pobres, feios, sujos… lembre que eles ainda estão se reerguendo.

Pense que muitas pessoas ali realmente viveram e sentiram na pele esse período difícil da história do Camboja. Ao pegar algum taxi, um tuk tuk, visitar um restaurante…. pense que o cambojano que te atender pode ser ex prisioneiro.. um sobrevivente daquele período.

Saber um pouco mais sobre tudo que eles passaram acabou mudando minha forma de olhar o Camboja e acredito que isso pode acontecer com você também.

Mais importante ainda é ver como esse povo, que sofreu tanto, está lutando e se reerguendo. Como mesmo com uma vida difícil, eles conseguem sorrir…. provavelmente é porque estão conseguindo seguir em frente a cada dia.

Hoje consigo ver o Camboja como um símbolo real de esperança.

Fonte: Um Viajante

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here